ESPECTÁCULO


BOTOX

A MORTE TEM DE VIR, de Miguel Castro Caldas

Três actores em palco tentam existir. Perante o vazio recorrem a esquemas e situações várias, ou até a personagens, em busca de algo. Estranham asua condição, as suas palavras, experimentam palavras de outros. Tentam reinventar o que já foi inventado. Apropriam-se do tempo que têm perante a eminência da chegada dessa outra personagem que tem de vir.

 

CORDA, de Pedro Eiras

Uma casa. Três personagens. Três tempos diferentes. Três perspectivas distintas em confronto num mesmo espaço acabam por revelar diferentes espaços identitários. Qual é a minha casa?

 

 

Criação: Primeiro Andar, Cristina Carvalhal e David Santos

Textos: Miguel Castro Caldas, Pedro Eiras e Primeiro Andar

Interpretação: Inês Mariana Moitas, Joana Luz Figueira, José Nunes

Cenografia: Ricardo Preto

Figurinos: Inês Mariana Moitas

Design de Luz:Francisco Tavares Teles

Música Original: Rui Lima e Sérgio Martins

Produção Executiva:Pedro Leitão

 

Local: Teatro Helena Sá e Costa, Porto

Datas: 13 a 22 de Fevereiro de 2009


Produção Primeiro Andar