ESPECTÁCULO    FOTOGRAFIAS    IMPRENSA


CÂNDIDO OU O OPTIMISMO, a partir de Voltaire

Penso que se Voltaire tivesse podido assistir a esta versão cénica do seu curto romance, não sairia desiludido do teatro.(...) 

Cândido é uma obra que reúne, num discurso marcado pela ironia e pelo humor, uma defesa irredutível do optimismo, num contexto que contradiz em tudo a ideia de um mundo regido por uma razão suprema coincidente com a ideiade perfeição. Esta tensão é extraordinariamente bem conseguida na versão cénica que Cristina Carvalhal encenou com uma elegância e uma inteligência à altura do projecto. No belo cenário de Ana Vaz, em que os caixotes e malas sugerem a viagem como fio condutor da história, as cenas ora se concentram, ora se distendem, tal como os percursos interiores das personagens e os espaços que vão percorrendo. (...)

João Carneiro in EXPRESSO 02-02-2008


 (...) Os figurinos de Ana Vaz e Maria Gonzaga recuperam e cruzam diferentes épocas, situando a acção num tempo indefinido e destacando, assim, a pertinência da fábula na era da globalização. (...)

A narração, a paródia e o exagero são os recursos utilizados para evidenciar o carácter fictício do jogo teatral e provocar o distanciamento necessário à função crítica da encenação. A adaptação cénica é inteligente e hábil, deixando intacta a verve corrosiva de Voltaire nos sucessivos quadros, diálogos e partes narrativas. (...)

Rita Martins in PÚBLICO 08-02-2008

 

Mal começa e percebe-se logo que a abordagem de Cristina Carvalhal a ‘Cândido ou o Optimismo’ não é vulgar. Para já, tem o palco pejado de caixotes. E todo o elenco empoleirado em cima de uma paleta, que é o terraço de um castelo. Nada ali é real. Porém, como nas fábulas, tudo é verdadeiro. (...)

Através de soluções cénicas exemplares, a encenadora aproveita o essencial das preocupações do autor, garante a universalidade do texto e questiona a actualidade de maneira ao mesmo tempo cáustica e serenamente divertida. Quer dizer: a inspiração de Cristina Carvalhal faz da sua encenação um espectáculo raro.

Rui Monteiro in TIME OUT 06-02-2008